¿Qué lecturas os seducen más?

viernes, 1 de enero de 2010

Ronie Von Rosa: narrativa corta brasileña actual

Para abrir el año, les traemos un cuento de Ronie Von Rosa Martins, un escritor y poeta de Río Grande do Sul, Pedro Osório (Brasil). Su relato, Moby, es un cuento delirante donde se aborda una visión particular, con sus metáforas existencialistas y demás, de un Ser un tanto ridículo y grotesco que acusa ese mismo nombre, Moby Dick. Pero es un simple apodo, un modo con el que Ronie traza la acción "simbólica" de una historia que escancia dramatismo y veracidad al mismo tiempo:






MOBY



Abriu um olho-claridade, brilho, luz-piscou uma, duas-três, várias vezes ligou e desligou o mundo. O outro.
Aberta as janelas, fronteiras entre o sono e o despertar, talvez entre a morte e a vida, pensou... (ultimamente pensava demais.)
Precisava levantar -"levanta filho da puta, levanta vagabundo"– ouvia os quase inaudíveis insultos que o cérebro –entidade funcionário público– gritava. O corpanzil velho gordo e suado lascivamente afundado qual Titanic ou Pequod em um mar de cobertas também velhas e também suadas.
Girou os olhos pelo quarto, como fazia sempre; examinava o local-cela-quarto-prisão... grades?
No chão entreaberto... Moby Dick – sonhara estar preso no mortal arpão de Ahab.
Baleia, Moby como era chamado, a baleia era branca; ele era a própria noite.
...O zunido... Sempre o zunido daquela miserável... Um dia a pegaria.
Barulho lá fora. Valia a pena sair? Na superfície o Pequod o espreitava. Sentia o seu suor, seu odor de negro fujão; de escravo. "Tudo vale a pena se a alma não é pequena", quis cuspir no chão. Achou melhor não. Dane-se o Pessoa. Tão louco que seu duplo era dobrado. Louco de merda. "Pelo menos eu sei quem sou, sei o que faço: Eu sou........... faço........."
Bobagens. A sombra do Pequod estava quase sobre ele. Piscou os olhos. Mergulhar mais fundo. O mar era seu território, seu universo.
A mulher gritava para que não esquecesse a chave... "A chave! A chave!" e ele em desespero se apalpava. Bolsos do casaco, da camisa, da calça... "A chave! A chave!" "Levante, levante" implorava o cérebro; mas o corpanzil sorria constrangido na sua incapacidade de produzir ação. "Desculpe... respondiam todos os músculos, todos os nervos-neurônios–veias tudo. Todo o organismo em sussurro, depois lamentos depois em berros gritavam-berravam-ganiam-gemiam-murmuravam.
Procurou pelo quarto – sempre o silêncio, abraço profundo; forte e sufocante como o da mãe "Não vá se sujar meu filho... não vá se sujar meu filho..." o perfume adocicado e enjoativo lhe invadindo as narinas e nauseando-o. A tentativa desesperada de fugir dos tentáculos maternos... "Não vá se sujar meu filho..."
-Fuga!
-Rua!
Corria livre o sorriso fácil riscado na face gordinha e rosada. "Brincar, brincar, brincar" lhe ordenava a alma infantil, e era a mesma alminha que se encolhia tal qual o corpo, assustado e humilhado quando os meninos da vizinhança o colocavam na roda e o chamavam de baleia, "Moby Dick!", Moby Dick!"
Chorar?
Não. Quando o pai lhe encontrava chorando batia com violência no seu rosto "Home não chora bundão! Home não chora!" E ele, a baleia, engolia as golfadas de lágrimas em proporções desumanas.
Na escola era o centro das atenções; as meninas riam e chamavam-no de Bolo fofo, A baleia sempre fugindo das ameaças. Fundo mergulhava.
E o pai?
Ausência presente. Presente indiferença. Vazio. Poltrona vazia, garrafa vazia. Uma lembrança... Vaga lembrança...
A mãe?
O abraço tentacular tão indiferente quanto à indiferença paterna "não vá se sujar meu filho, não vá....."
O arpão rasgando o mar. As lágrimas, as lembranças... Ahab. Vários Ahabs insanos em seu encalço.
Afundar...afundar. Cada vez mais afundar.
A mãe-perfume
Perfume-amante.
Chances de amor?
Sim, tivera a chance de ser normal. ( O que é ser normal?) Ela até que gostava do cetáceo, mas não tinha condições de suportar a pilhéria da marujada: "Não dá mais Moby, não dá mais." "Por que fulana... por quê?
Por quê?
O coro da turba surgia em uníssono vociferando: "Gordo, Gordo!"
Nos ouvidos as mãos, tampões exatos na exatidão da dor.
Chorar?
Não, Moby jamais chorava – o pai não deixava – Moby só mergulhava. Sempre o mergulho. Fugia incessante do arpão, para o arpão...
Ar...
Pra que serve o ar se há a imensa e delirante dor; pra que ar se o arpão da infelicidade lhe atravessa as costas numa gargalhada horrenda.
A cama-mar- acamar- acalmar...
Dor! Dor! Dor!
Ardor e febre. Suor. O corpo se despede enorme. Abandono. Imensa nódoa escarlate que tinge a água e sufoca até Ahab.
Os olhos – longe a baleia, na superfície arrasta para o inferno o navio, a fúria e a intolerância.
Então chegaram calmos, quase sorriam – os carcereiros-enfermeiros-amigos-sombras-marujos...sonhos.
"O gordo foi pro saco."
"É"
"Pois é."
O cérebro ativa a última luz...
"Suicídio?"
"Desde que nasceu." Sorriu o outro.
"É."
Parados e abertos os olhos. A visão.
Ahab. Dentes arreganhados, toda a tripulação, todos os meninos, a mãe, o pai, a amante –o arpão.
O corpo. Corpanzil de graxa, baleia imensa negra-branco cetáceo. Morte.
Morte?
Sim, por que não, só mais um grande mergulho...
"Ta morto mesmo?"
"Não sei..."
O salto. O berro!
Joga-se! A gordura imensa o peso intenso sobre os olhos claros os olhos parvos, o pânico definido pela indefinível morte.
Sufocados-esmagados-triturados...
Apagada a fornalha fecha-se o livro os olhos fecham.
Mais um mergulho.
Encontrariam no outro dia dois enfermeiros esmagados pelo paciente do quarto 56.
A vida... e a morte também podem ser ridículas.
Não havia nenhum Ismael para escapar ao naufrágio.






Sobre el autor...

Ronie Von Rosa Martins tiene 42 años y es brasileño. Actualmente ejerce como profesor de portugués.
Está graduado en Literatura Brasileña Contemporánea por la Universidad Federal de Pelotas y, en particular, en Linguagens Verbais, visuais e suas Teecnologias pelo IFSUL de Pelotas. La mayor parte de sus obras de prosa corta y poética las podemos encontrar en internet, por medio de media docena de comunidades literarias y redes de escritores en las que participa. Otro, claro, ejemplo que define su personalidad y la de muchas de las nuevas generaciones de escritores de hoy, que prefieren utilizar el tan conocido recurso de "compartir" en la red sus obras, de una forma rápida y contundente, logrando una afinidad informativa y documental que hace posible, de una manera dinámica y "económica", que muchos de estos autores noveles no se queden en el vacío y puedan llegar a todo el mundo.
,
Copyright:

Del relato, fuente para la biografía e imagen:
Ronie Von Rosa Martins©

Introducción y reseña:
LITERATURA DEL MAÑANA©

Publicado en este blog bajo el consentimiento del autor:

No hay comentarios:

Related Posts with Thumbnails
Se ha producido un error en este gadget.

Archivo de blog

Espacios publicitarios: